bmk

blog m kiwaïda

19/09/2020

Ⓙε ﹩υї﹩ ʟ℮ яêṽℯ▣ Ⓙε ṧüḯ﹩ ʟ’ḯᾔ﹩ρḯяα⊥ḯ☺η▣

Scroll down

Victor Brauner > RÊVERIE

Le Musée d’Art Moderne de Paris ouvre une exposition consacrée à Victor Brauner (1903-1966), figure singulière du surréalisme, du 18 septembre 2020 au 10 janvier 2021. L’exposition consacrée à Victor Brauner comprend une importante monographie regroupant plus d’une centaine d’œuvres, peintures et dessins, dont certaines montrées en France pour la première fois depuis la dernière rétrospective à Paris au musée national d’art moderne en 1972.

Né en Roumanie, Victor Brauner participe à l’effervescence artistique de Bucarest dans les années 1920, avant d’intégrer le mouvement surréaliste à Paris en 1933 et jusqu’en 1948, date de son exclusion du groupe. Il est un familier des avant-gardes (expressionnisme, constructivisme et dada), dont la radicalité correspond à son caractère indépendant, jusqu’au glissement progressif vers une peinture surréaliste lors de ses séjours à Paris entre 1925 et 1938, date de son installation définitive. Dès son adhésion au surréalisme en 1933, il participe alors aux manifestations du groupe autour d’André Breton. La perte de son œil en 1938 fait de son Autoportrait, peint sept ans auparavant, une œuvre prémonitoire : illustration des théories surréalistes, sa peinture revêt alors un caractère magique. La guerre va le contraindre, de par son statut de juif, sa situation irrégulière et son opposition à toute forme d’oppression fascistes et totalitaires, à entrer dans la clandestinité dans le sud de la France, ne pouvant émigrer aux États-Unis. Brauner invoque alors les doctrines les plus secrètes (tarot, alchimie, spiritisme, kabbale) pour se protéger de la France occupée en se réfugiant dans ce monde de rêve où la réalité n’a pas cours donnant à ses œuvres une dimension mystérieuse. Paradoxalement, cette période de frayeur et de dénuement matériel est d’une grande richesse d’invention techniques (l’usage de la cire et de matériaux de récupération) et de formes. L’après-guerre est marquée par une traversée de styles due à sa liberté recouvrée, sans atténuer les angoisses et les tourments des évènements qui l’entourent. D’autres influences se font sentir de la psychanalyse à la pensée sauvage à travers des cycles, comme les Victor de la série Onomatomanie, les Rétractés, puis Mythologies et Fêtes des mères. Il crée un langage nouveau pour donner à voir non pas le réel, mais les ressorts invisibles du monde. Le catalogue présente de nouvelles analyses sur l’artiste avec des contributions d’écrivain et historiens d’art tels Georges Sebbag, Fabrice Flahutez, Radu Stern, Sophie Krebs, Camille Morando et Jeanne Brun. Conçue par le Musée d’Art moderne, cette exposition sera ensuite présentée à La Barnes Foundation à Philadelphie d’octobre 2020 à janvier 2021.
(extrait du communiqué de presse)
Commissaire : Sophie Krebs
Commissaires scientifiques : Jeanne Brun et Camille Morando


Victor Brauner > ACCOUPLEMENT D'ÉLÉMENT


Victor Brauner > CONGLOMÉROS


Victor Brauner > LE SURRÉALISTE


Victor Brauner > L'APHRODISIEN


Victor Brauner >  PRÉVOLONTÉ, HÉSITATION


Victor Brauner > L'AIR SOLAIRE

Art Par kiwaïda at 00:35

17/09/2020

ℳṲḰṲ ℉ṲJi

Scroll down






Photographer : Shinkenchiku-Sha

The Muku Nursery School in Fuji City was designed by the Japanese firm, Tezuka Architects and is composed of circular, umbrella-like structures for the classes. The complex of wooden volumes with this unusual shape won the School - Completed Buildings category of the 2018 World Architecture Awards (WAF). When the topic of architecture for early childhood comes up, we find a series of very interesting projects that adopt an unusual architectural shape to try and make the young users feel at home and to foster their development. A number of virtuous examples have passed through Livegreenblog, from lots of different places including Mosco), Nuremberg and Thailand, just to mention some of the projects we have published. The Muku Nursery School by Tezuka Architects, the husband-and-wife firm founded in Tokyo in 1994, is another addition to this collection of excellent architecture for early childhood, confirmed by the award won at the 2018 World Architecture Festival (WAF) in the School - Completed Buildings category. The project itself starts from a circular layout, expressing this geometric shape not in the form of a ring - which the same firm had already used in their design of the acclaimed Fuji nursery school in 2007, developed around a centuries-old tree - but in the form of “bubbles”. These are ten separate buildings made from wood, glass and translucent walls that, when viewed from above, look a bit like different sized soap bubbles slowly rising up in the air. Each bubble - or umbrella-like structure - is used for one specific function and there are no walls inside. Like the mitochondria and ribosomes they are reminiscent of, these circular volumes provide a total area of 403.51 square metres, and their interior structures feature low furniture and partitions that are suitable for children. The goal of Tezuka Architects was to position each function and keep it completely free of any geometric constraints. This absence of restrictions coupled with the round shape stimulates movement for the children who can let off steam running around in and between the various circles. Not only that but the circular layout of the buildings and of the space itself also assures excellent visibility, something very important in a nursery to make sure you can keep an eye on the children at all times. The single bubbles are positioned quite close to each other, to foster a real and a visual connection between the classrooms. At the same time, it allows great views of Mount Fuji, a stunning backdrop that becomes part of the children's everyday experience. The Muku Nursery School by Tezuka Architects underscores the modus operandi of these architects. When they design a building, their main concerns is to create spaces that are open and welcoming to nature, which they always appreciate and treat with great respect. At the same time, they view people - the users of architecture - as a part of all the aspects of the existence of the architectural work. So their designs are always open to the myriad of possibilities served up by the context, rather than being closed, self-serving containers.

Christiane Bürklein (Floornature)

*

Bulles de savon !

Dix bâtiments séparés en bois, en verre et en murs translucides qui, vus d'en haut, ressemblent à des bulles de savon de différentes tailles s'élevant lentement dans l'air. Chaque bulle - ou forme de parapluie - est utilisée pour une fonction spécifique et il n'y a pas de murs à l'intérieur. Excellente visibilité : pouvoir garder un œil sur les enfants à tout moment. Les bulles individuelles sont placées assez près les unes des autres, pour favoriser une connexion réelle et visuelle entre les salles de classe. En même temps, il offre une vue imprenable sur le mont Fuji , une toile de fond époustouflante qui fait partie de l'expérience quotidienne des enfants.
Et c'est un couple d'architectes japonais qui a eu cette vision, réalisée : Akaharu and Yui Tezuka.


Paysage Par kiwaïda at 12:39

15/09/2020

Scroll down

Musique Par kiwaïda at 21:35

їη∂ḯαη◎ ∂ε √℮яãø

Scroll down

Indianos de verão azul

Desenhos © Sónia Marquès


Art Par kiwaïda at 16:23

฿ℝṲẌÅ E ḟαⅾα

Scroll down

Fotografías e pinturas © Sónia Marquès

Os instrumentos mágicos das bruxas, estão vinculados ao uso doméstico, espaço ainda hoje prioritariamente feminino. Caldeirões, facas, taças, vassouras, velas, sinos, espelhos, varinhas e espadas são os objetos mais comumente requeridos para rituais ou feitiços. Aqueles de forma longilínea, cilíndrica ou com corte são normalmente atribuídos à divindade masculina, e guardariam atributos masculinos. Aqueles de forma arredondada, ou usados como recipientes, são normalmente atribuídos à divindade feminina e portariam atributos femininos. Os papéis femininos são construídos de modo a formar uma oposição complementar aos masculinos. Para que haja equilíbrio, os dois devem estar presentes e devem atuar juntos.

Gengibre é um potencializador na magia. Nos preenche de energia e combate infecções.
Cravo da índia ajuda a nos proteger de energias nocivas.
Laranja é uma fruta solar, promove energias correspondentes a regência do Sol: força e vitalidade, além de conter vitamina C, ótima para imunidade.

● SABER: é importante saber o que se deseja e ter o conhecimento para tal.

● QUERER: você deve ter certeza do que deseja, sem duvidar se dará certo ou não. Se questionar, então há algo em seu desejo que não está de acordo com o que você quer para sua vida.

● OUSAR: aqui é onde você aplicará seus conhecimentos. Se conectará com sua bruxa ou bruxo interior e usará instrumentos e correspondências magísticas para criar o que deseja. A fé (vontade) é o artefato mais importante!

● CALAR: muitos feitiços acabam por não funcionar, porque as pessoas saem falando para as outras. Isso ocorre porque a magia acaba sofrendo influências energéticas externas.

O que é seu, é seu ! E deve ser mantido em segredo, até que funcione !


Les fées (Gustave Doré)

Art Par kiwaïda at 14:07

13/09/2020

ṔℝѦЇÅS

Scroll down

Fotografías © Sónia Marquès

Os bons momentos dão-nos desculpas para não reclamar, os bons momentos me dão energia para admirar lindas coisas e lembrar-me que tudo é maravilhoso.

Fotografías © Sónia Marquès


Fernando Pessoa :

Novas Poesias Inéditas

(Direcção, recolha e notas de Maria do Rosário Marques Sabino e Adelaide Maria Monteiro Sereno.)

Olhando o mar, sonho sem ter de quê

Olhando o mar, sonho sem ter de quê.

Nada no mar, salvo o ser mar, se vê.

Mas de se nada ver quanto a alma sonha!

De que me servem a verdade e a fé?

 

Ver claro! Quantos, que fatais erramos,

Em ruas ou em estradas ou sob ramos,

Temos esta certeza e sempre e em tudo

Sonhamos e sonhamos e sonhamos.

 

As árvores longínquas da floresta

Parecem, por longínquas, estar em festa.

Quanto acontece porque se não vê!

Mas do que há ou não há o mesmo resta.

 

Se tive amores? Já não sei se os tive.

Quem ontem fui já hoje em mim não vive.

Bebe, que tudo é líquido e embriaga,

E a vida morre enquanto o ser revive.

 

Colhes rosas? Que colhes, se hão-de ser

Motivos coloridos de morrer?

Mas colhe rosas. Porque não colhê-las

Se te agrada e tudo é deixar de o haver ?

praia3.jpg

Fotografías © Sónia Marquès



Sophia de Mello Breyner Andresen |
"Antologia", pág. 111 | Círculo de Poesia Moraes Editores

Praia


Os pinheiros gemem quando passa o vento
O sol bate no chão e as pedras ardem.

Longe caminham os deuses fantásticos do mar
Brancos de sal e brilhantes como peixes.

Pássaros selvagens de repente,
Atirados contra a luz como pedradas,
Sobem e morrem no céu verticalmente
E o seu corpo é tomado nos espaços.

As ondas marram quebrando contra a luz
A sua fronte ornada de colunas.

E uma antiquíssima nostalgia de ser mastro
Baloiça nos pinheiros.

Fotografías © Sónia Marquès

Fotografías © Sónia Marquès


Paysage Par kiwaïda at 12:57

11/09/2020

ṧн℮

Scroll down

Today, I learned from the press the death of Shere Hite, the pioneering feminist, known for her research on female sexuality, she has died at the age of 77. She was best known for The Hite Report: A Nationwide Study of Female Sexuality, which has sold more than 50m copies since publication in 1976. I had never seen a picture of her, except this day, on the Internet with the media coverage of her disappearance. But I read her report very early on, when I was a teenager, and it changed a woman's life, a young woman's life. It was my mother who had this book, which I thought was quite big, and surprising, whereas in our French schools, there was absolutely nothing written or transmitted, no education on the subject. Besides, my friends, in middle school, didn't even know who this scientist was, this very famous woman in the United States, and absolutely nothing about women’s sexuality. Thanks to my mother, who is a woman of readings, I had access very early to this work, which obviously opened up to me as a certain autonomy and criticism of other works on female sexuality, often written by men, and psychologists or psychoanalysts, who didn't know much, and certainly absolutely nothing, about women, but were graciously paid and awarded medals for their works, some of which destroyed the construction of a fulfilled female sexuality  (I'm thinking about Freud who did well damage, and unfortunately, is still well recommended by men and women) So this article to quote that of the Guardian, in English, because it allows to know in a few lines who was this woman, and me, I had access, for my first time to a face on this big book from my teenage years, in the family library. And yes, sometimes we are readers of other people's words, and the image doesn't matter, there are the words that lead to pleasure, and here, it's a question of female orgasm. She was also a powerful voice in the middle of a barren desert. In reality, it's to my mother that I owe this insight in making different readings available to her daughters, what an advance, and what a generosity !

(I therefore chose photographs that I found interesting and I modified the color, with a montage with the title of his book. The photography in pajamas is very glamorous, finally we can (not too late) take an interest in the faces of an author, and discover, that she was a beautiful woman, in the very "American actress" spirit iconic)

The pioneering feminist Shere Hite, known for her research on female sexuality, has died at the age of 77. She was best known for The Hite Report: A Nationwide Study of Female Sexuality, which has sold more than 50m copies since publication in 1976. Based on the views of 3,500 women, it challenged male assumptions about sex by revealing that many women were not stimulated by sexual penetration. It also encouraged women to take control of their sex lives. It was dismissed as “anti-male” and dubbed the Hate Report by Playboy. Shere Hite: 'We need to make a film about me' Read more “I was saying that penetration didn’t do anything for women and that got some people terribly upset,” she told the Guardian in 2011. She added: “I was the only sex researcher at that time who was feminist. I tried to extend the idea of sexual activity to female orgasm and masturbation.” Hite’s husband, Paul Sullivan, confirmed that she had died at their home in Tottenham, north London, on Wednesday. Hite was born in the socially conservative US state of Missouri, to her 16-year-old mother, and was raised by her grandparents. While doing postgraduate research at Columbia University she posed nude in an advert for an Olivetti typewriter in the early 1970s. When the advert appeared in Playboy under the caption: “The typewriter so smart, she doesn’t have to be,” she backed protests against it. Sustained criticism of her in the US, much of it highly personalised, led Hite to renounce her US citizenship in 1995. She was married for 14 years to the German pianist Friedrich Höricke before the couple divorced in 1999. She lived all over Europe before settling in north London with her second husband, Paul Sullivan. The writer Julie Bindel, who interviewed Hite in 2011 and stayed in touch afterwards, told the Guardian she had been suffering from Alzheimer’s and Parkinson’s disease. Bindel said: “Her work was groundbreaking – in many ways she began the real sexual revolution for women in the 1970s after the abject failure of the so-called sexual revolution of the 1960s. In the 60s, women didn’t ever feel that they had the right to sexual pleasure. Shere Hite put women’s sexual pleasure first and foremost for the first time ever. “She centred women’s experiences as opposed to seeing men as the default position and women as secondary. That really spoke to a lot of women about their own bodies, their own sexual liberation and sexual pleasure.”

Matthew Weaver (The Guardian) Thu 10 Sep 2020 17.30 BST



O Relatório Hite, publicado em 1976 nos EUA e em 1979 em Portugal, foi, em si, uma revolução. Nunca ninguém tinha pensado, perguntado, falado ou escrito assim sobre a sexualidade feminina, o orgasmo, o clitóris ou a masturbação. Shere Hite fê-lo. E revolucionou a forma de pensar o prazer feminino. O livro foi reeditado este ano por cá e nós pedimos-lhe esta entrevista. As respostas chegaram finalmente. Entrevista de Catarina Pires | Fotografia de Getty Images O questionário que deu origem ao Relatório Hite, reeditado este ano pela Bertrand com o título O Relatório Hite – Um Profundo Estudo Sobre Sexualidade Feminina, tinha 58 perguntas, as primeiras onze sobre orgasmo, as formas de o atingir, as sensações que provoca, a importância que assume, outras tantas, ou mais, dedicadas à masturbação, mas também ao sexo oral – fellatio e cunnilingus – e anal. Os relacionamentos emocionais não foram deixados de fora, nas suas diversas formas, nem a forma de viver o sexo nos vários estádios da vida, da infância à velhice. As perguntas abrangiam tanto relações heterossexuais como homossexuais e bissexuais e procuravam enquadrar as respostas do ponto de vista cultural, intelectual, social e político. Aos 76 anos, Shere Hite considera que, apesar do muito que tem sido conquistado, a revolução sexual continua por fazer, que o feminismo em parte implodiu-se e que nunca é tarde para o sexo. Mais de três mil mulheres responderam, com uma honestidade e detalhe por vezes desconcertante, e foi dessas respostas que nasceu o Relatório Hite, uma pedrada no charco, que, segundo a autora, foi mal recebido, sobretudo pelos homens do seu país, que se “sentiram atacados na sua virilidade”. Afinal, ao longo das mais de 500 páginas do livro, a conclusão a que se chega é que a penetração não é assim tão importante para o prazer feminino. Seja como for, o livro vendeu mais de 50 milhões de cópias, foi traduzido em várias línguas e a sua autora, Shere Hite, nascida no Missouri, feminista, licenciada em História pela Universidade de Columbia, que chegou a posar nua para a Playboy para pagar a faculdade, tornou-se o nome incontornável do feminismo e da sexologia. Aos 76 anos, considera que, apesar do muito que tem sido conquistado, a revolução sexual continua por fazer, que o feminismo em parte implodiu-se e que nunca é tarde para o sexo.

Entrevista de Catarina Pires por DN Life (17/10/2019)

E você cocô robô da biblioteca nacional da França, você leu o livro de Shere Hite em vez de capturar meu site sem parar ?
Idiota !


Enseignement Par kiwaïda at 14:42

09/09/2020

αṧ ᾔøї⊥℮ṧ

Scroll down

Fotografías © Sónia Marquès


Musique Par kiwaïda at 14:19

30/08/2020

@Lмα

Scroll down

Fotografías © Sónia Marquès, e poema...

A ALMA E O SAL

Comecei de imediato a sonhar com o mar, com o murmúrio manso das ondas de Setembro, comecei a sonhar com a maravilhosa liberdade do mar, o rumor do mar, o mugido das rochas cobertas de lapas, de mexilhões, de conchas, quando a maré desce...

Sentimentos contraditórios,

O ser humano é percorrido por emoções opostas, de uma sensibilidade rica e generosa, ele pode partir para a guerra e capaz de piores atrocidades...

Por que as pessoas procuram o mal e machucam outras que não conhecem e nunca conhecerão ?

Porque há frustrações profundas e por vezes uma cegueira profunda: não sentir, não ter emoção, não reconhecer as paisagens

Confundir as imagens com o que sentimos perante as ilusões, do que pensávamos ver e saber, o ser humano engana-se no caminho, e às vezes por muito tempo, talvez para sempre...

No espelho dos pássaros
Reconhecer as paisagens não é apenas vê-las
Comecei de imediato a sonhar com as ondas de Setembro

É ninguém é ninguém, eu também sou pessoa
Não sou nada
Nunca serei nada
Não posso querer ser nada
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo

O valor das coisas não esta no tempo em que elas duram,
mas na intensidade com que acontecem.
Por isso existem momentos inesqueciveis, coisas inexplicaveis e pessoas incomparaveis
(FP)

A vida
A vida de todo ser humano é um caminho em direção a si mesmo, a tentativa de um caminho, o seguir de um simples rastro. Homem algum chegou a ser completamente ele mesmo; mas todos aspiram a sê-lo, obscuramente alguns, outros mais claramente, cada qual como pode. Todos levam consigo, até o fim, viscosidade e casas de ovo de um mundo primitivo. Há os que não chegam jamais a ser homens, e continuam sendo rãs, esquilos ou formigas. Outros são homens da cintura para cima e peixes da cintura para baixo. Mas cada um deles é um impulso em direção ao ser.
(HH)

Homem ? E mulheres...


boa10.jpg

bia9.jpg


Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem achei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,
Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem,
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.
Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser
O que segue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo: «Fui eu?»
Deus sabe, porque o escreveu.
(FP)


Cada momento mudei...


Fotografías © Sónia Marquès, e poema...

Philosophie Par kiwaïda at 13:52

23/08/2020

∀ℬℰℝtÜℝÅ

Scroll down

Fotografías © Sónia Marquès, e poema...

ABERTURA

Se há uma coisa que me parece luminosa e digna da mais linda aprendizagem, é o despertar. Sendo mais "terra-a-terra", porque meus escritos não são acessíveis a todos, minha linguagem e meu pensamento, pela manhã descobrindo cada pessoa ao acordar, sempre me pareceu a melhor forma de me sentir perto do outro, do ser humano. No entanto, minhas manhãs são alongadas, sempre e não se parecem com as manhãs "genéricas", que podem ser reproduzidas a baixo custo. Não, falo daquelas manhãs, todas minhas, em que o pensamento é o mais fluido, o mais ilógico para alguns, o mais preciso e livre, o mais puro. São aqueles rostos, a pele relaxada da noite, sem maquiagem, os olhos sem nenhum preconceitos, das imagens já prontas que a sociedade dar-nos, mas está tudo desfeito. Você tem que começar, refazer tudo e refazer o mundo torna-se brincadeira de criança.

Um dia, enviei um cartão postal de Boas Festas, mostrou minha cara de sono (de sohnos, de Sónia ?) com meu papagaio bebê, uma fêmea. Não havia nada que contasse a hora da filmagem, nem mesmo o que era esse bicho, cujas migalhas de sua comida ficavam grudadas sobre no bico, e eu, atenciosa, cabelos e rosto da manhã, tudo nesta refeição matinal. Aliás também não sabemos o que chamamos de manhã. Para alguns, algumas, o amanhecer é levantar-se às 4h, para outros ao meio-dia, para outros às 16h, as noites não têm igual, e cada noite é única, seja passada em solitário, a dois, a vários, em família, num deserto, numa canícula sufocante, ou numa noite fria sob as estrelas, ou numa masmorra, ou na rua num banco público ... Em suma, a fotografia não dizia nada de tudo isso. A única coisa que você poderia pensar é que tinha uma cara engraçada e um animal estranho e mal cuidado. Os papagaios bebês, como outros bebês, colocam o comido em todos lados !

É um exemplo, o do despertar. Este cartão também significava, por meio de um sinal escrita desejando a todos “Boas Festas”, que estava longe, muito longe; não porque quisesse, mas porque tinha que ficar em segundo plano. Assim como os militares, fui chamado para ficar em casa, confinado, não como se tivesse de esperar pelo fim da guerra, embora, mas como alguns lutadores que pensam e não estão armados, que devem ser protegidos. Então descobrir os seres pela manhã, é realmente descobri-los e compartilhar um momento de paz. Descobrir os seus entes queridos de manhã, sem o incómodo da vida deles, sem ruídos e boatos, sem nunca abrir um media, sem teledistância, è para mim estar o mais próximo possível das coisas e dos seus adventos, è estar em que há melhor e há potencial.

Não sou madrugadora. Mas sou de todas as manhãs do mundo.

O acontecimento mais marcante foi a obrigação de ser confinada, e vários anos depois observar, à medida que as manhãs iam passando, um confinamento súbito estendido a todos. Este cruzamento, do particular ao general, esta comunhão do tempo, significava, do meu ponto de vista, que mesmo os mais recalcitrantes para imaginar o isolamento, sofrido ou voluntário, por diferentes razões, se encontravam na mesma situação. Assim, já não existia a sensação de estar isolada do mundo, mas de fazer parte do mundo, em comunhão, vivida para alguns, para algumas, como uma restrição, e para outros, em todas as manhãs do mundo, como a partilha de uma situação pouco comum, mas que se tornou comum.

Há nessas atribuições da sociedade, de que diferença, uma anulação do efeito de deficiência que constituem estas atribuições por apriorismo. Quando a sociedade impõe um modo de estar junto que prejudica a todos, é anulada qualquer ideia da diferença, que se baseia em outra ideia : haveria privilegiados.

Com os privilégios abolidos, ainda era necessário reescrever a história, insistindo bem no facto de que os deficientes sofriam muito mais do que outros o confinamento. No entanto, a questão do "sofrer" nunca foi aprofundada, apenas do ponto de vista da privação de liberdade. Porém, muitos confinados, que já estavam confinados e submetidos a um confinamento pela sociedade de acordo com atribuições arbitrárias, experimentaram a liberdade de pensamento e viveram o confinamento generalizado, a todos , como um grande alívio, uma paz tão nova e indizível, que nem sequer pode ser descrita, sob pena de ser censurada.

Mas sim, o silêncio reencontrado, a paz interior, a suspensão de um estado de embriaguez forçado a consumir, o regresso às manhãs calmas, os motores desligados, a pausa mereceria ser renovada, uma nova forma de bem-estar no mundo.




Philosophie Par kiwaïda at 12:46

19/08/2020

Ḻʊ@ ηø√α

Scroll down








Fotografías © Sónia Marquès, e poema...

ir onde tudo começa
passar uma camisa branca
de linho em Limoges
e nos encontrarmos
uma noite em Lisboa
duas cidades
duas mesmas letras
dois começos
levante-se uma manhã
e veja o Tejo
a luz branca
reconhecereis você
aérea é a silhueta
de uma cidade
memória branca
o tempo passa
renascido


Art Par kiwaïda at 22:07

18/08/2020

ḓεṧṧḯᾔṧ

Scroll down

Extrait de : Le baiser au soleil , 1974
Gravure 76 x 56 cm (Pierre-Yves Trémois)













Pierre-Yves Trémois (1921-2020) était un artiste, dessinateur, graveur. La simplicité et la pureté du trait, inspiré par l'érotisme, le monde animal et les sciences. Il s'intéressait aux astres, j'ai vu quelques gravures, il était capricorne, du mois de janvier. Écouter une émission (2019) > Une ode à la vie et à la beauté, Entretien avec Yvan Brohard, commissaire de deux expositions consacrées à l’artiste, membre de l’Académie des beaux-arts

Art Par kiwaïda at 18:44

17/08/2020

тê☂ℯ ℯη ʟ❝αїґ

Scroll down




Photographies © Sonia Marques


Paysage Par kiwaïda at 22:56

15/08/2020

ѦЇℛ

Scroll down





















Photographies © Sonia Marques

*

De ce que l'on écrit, on se souvient dans les airs... La recherche de verticalité prenait tout son sens auprès des nuages...

La densité, la circulation, le manque d'air et le manque de distance, de recul...

L'invention d'une puissance aviatique est une illusion... C'est bizarre, ce mot "aviatique" n'existe pas dans les dictionnaires, pourtant dans l'usage, il s'impose dans ce qu'il m'est donné de voir, et de survoler à cet instant...

On adopte la langue de l’atterrissage, mais il reste une langue des airs, ce que l'on garde nourrit l'imaginaire, la langue des rêves, des espoirs, des allégresses, c'est la langue que personne d'autre ne peut connaître, ni reconnaître.

C'est une espèce de conscience, entre ce que l'on sait et ce que l'on ne sait pas. La langue des anges.


Paysage Par kiwaïda at 12:03

12/08/2020

ℭℋṲℭĦṲ

Scroll down

Cozinha da mãe e do mar paisagem do pai...

Pêras doces do jardim



O chuchu e o espírito santo



 

O amor em filigrana, arte de joalharia, para juntar fios de ouro...


Fotografías © Sonia Marques


Art Par kiwaïda at 19:21

ℬ∀)ℝѺℚÜ∃

Scroll down

Às vezes, não temos vontade de escrever e localizar, apenas as imagens de uma oração, do comboio sem máscara, de uma certa forma de liberdade.
Ser barroco, uma forma de ver a arte, presenças que nunca me deixam.

Fotografías © Sonia Marques


Art Par kiwaïda at 01:13

30/07/2020

ℵṲÐℰ

Scroll down

Et tout est plus clair... La nuit...

Photographies © Sonia Marques

Art Par kiwaïda at 00:47

28/07/2020

ᓮᒪ ℱᗩᓰT ᙅᖺᗩ⋒D

Scroll down

Collage ☼ Sonia Marques


Internet Par kiwaïda at 01:41

ṧʊмм℮ґ

Scroll down

Musique Par kiwaïda at 00:01

25/07/2020

Ṕ∀✝Å℃ĦѺṲ

Scroll down

Deux Patachou(x) pour le prix d'un <3

Génial !






Musique Par kiwaïda at 12:13

- page 1 de 17